Menu fechado

Ficha Técnica

Produtora(s):Insomniac Games
Publicadora(s):Universal Interactive Studios
Sony Computer Entertainment
Plataforma(s):PlayStation, PlayStation Network
Gênero(s):Aventura, Plataforma
Modo(s):1 Jogador
Data(s) de Lançamento:10/09/98 (EUA/EU)
23/08/98 (AUS)
01/04/99 (JP)
Acessório(s)Memory Card 1 bloco
Gema - Reignited

Detonado

Gema - Reignited

Dicas e Códigos

História

Spyro é um pequeno dragão que vive em seu mundo com seus amigos dragões. Nessa mesma época, vivia em seu mundo um monstro malvado chamado Gnasty Gnorc que pretendia tomar o controle do mundo dos dragões a fim de obter mais poder.

Seus planos só seriam concretizados se ele conseguisse se livrar dos dragões que viviam lá para poder criar o mundo dos gnorcs. Com sua magia ele transformou todas as jóias do mundo dos dragões em gnorcs para servir como seus súditos. Por outro lado, os dragões não aceitavam essa condição, então desafiaram Gnasty Gnorc. Antes mesmo de os dragões se defenderem, ele os transformou em estátuas de gelo e os espalharam por 6 partes do mundo dos dragões.

Milagrosamente, devido seu tamanho, Spyro conseguiu escapar despercebido aos olhos de Gnasty Gnorc e era sua missão, dali em diante, trazer de volta os dragões e recuperar as jóias derrotando os soldados de Gnasty Gnorc e aprender mais sobre seus poderes antes de lutar cara-a-cara com Gnasty Gnorc.

Spyro percorre por mais de 30 locações do mundo dos dragões para libertar 80 dragões que foram transformados em estátuas e recuperar 14.000 jóias espalhadas pelos mundos, sendo que algumas estavam sob a forma de gnorcs.

Análise

por Paulo Moreira – revisado em 20/01/2010

Spyro the Dragon foi o primeiro jogo de aventura e o segundo jogo lançado pela Insomniac Games no ano de 1998 e apresenta um mundo totalmente diferente do jogo anterior Disruptor. A Insomniac Games deixava de lado as missões extraterrestres de Disruptor para entrar de cara no projeto do Spyro que seria, mais tarde considerado o mascote da Sony nos Estados Unidos.
Para o jogo emplacar de vez o PlayStation nos Estados Unidos foi fácil, já que a história de Spyro é atraente e agrada, principalmente, às crianças pelo carisma do personagem e pelos cenários bonitos.

O jogo apresenta gráficos excepcionais para a época, apresentando uma engine que seria capaz de construir cenários distantes com uma certa nitidez, coisa que não acontecia em muitos jogos da época, onde o cenário era montado quando estivesse próximo. Nesse jogo é possível perceber tudo, até a respiração de Spyro.

Spyro não apresenta tantos poderes nesse jogo, até porque ele ainda era pequeno… ops, novinho! Ele apenas sabe planar por alguns segundos, usa sua baforada de fogo para derrotar inimigos sem armadura e seus chifres para derrotar inimigos mais precavidos (com escudos ou armaduras). Ele só pode voar mesmo nas fases chamadas Flights que funcionam como minigames que não são difíceis de serem completados devido à jogabilidade que ajuda bastante no jogo. Até mesmo quem não tem intimidade com o controle do PlayStation não sentirá tanta dificuldade de aprender os movimentos.

O problema que ocorre na maioria de jogos em 3D ocorre em Spyro the Dragon também: a câmera. Você passará a maior parte do tempo apertando os botões L2 e R2 para ajustar a câmera. Isso é o que prejudica a jogabilidade. Ela é perfeita para o personagem, mas a câmera atrapalha nesse ponto. Sugiro que pause o jogo e ajuste a câmera para Active, porque assim ela seguirá Spyro por trás, mas mesmo assim, ainda atrapalha um pouco, mas pelo menos, você não precisará ficar apertando L2 e R2 direto.

Devido ao controle ser fiel aos movimentos, o desafio acaba sendo um pouco prejudicado… Prejudicado, como? O desafio acaba sendo o ponto fraco do jogo, pois não há puzzles, nem fases mais complicadas. As fases são relativamente fáceis. Quem está mais acostumado com jogos mais complicados não sentirá nenhuma dificuldade de fechar o jogo em algumas horas. Talvez pelo fato de o jogo ter sido feito para crianças, a Insomniac Games não se preocupou em fazer um jogo que fosse complicado para elas.

As músicas do jogo foram todas compostas pelo integrante do grupo The Police, Stewart Copeland. Elas ficaram muito boas e combinam perfeitamente com o jogo, sendo bem mixadas e não repetitivas. Os efeitos sonoros também são muito bons, dá até para ouvir a risada do ladrão de ovos aumentando conforme se aproxima dele. Efeito muito bom que dá um toque de realismo aos efeitos sonoros do jogo. O único efeito sonoro que não ficou muito claro foram os das jóias que, às vezes, parece que não estamos pegando nada.

No geral, o game fez sua parte e não decepcionou ninguém, sendo considerado até um dos melhores jogos de PlayStation para se jogar. O jogo foi relançado no ano de 2008 na loja virtual PlayStation Store.

Som
9
Gráficos
10
Desafio
8
Jogabilidade
9
Geral
9

Nota do Site

9.0

Ótimo

Pontos Positivos

Pontos Negativos

Análises dos Visitantes do site

9.1
 (4)

#04 – Data: 09/04/2015 – Identificação: Cassio

Som9.5“Músicas ótimas.”
Gráficos9“Para a época, o melhor do PS1.”
Desafio7“O único defeito do jogo é ter as fases muito curtas.”
Jogabilidade9“Fácil e divertida.”
8.6

#03 – Data: 05/04/2015 – Identificação: Fagner da Luz dos Santos

Som9“O primeiro jogo da série, trouxe uma trilha sonora impecável, Stewart Copeland já estava mostrando que seria um gênio compondo as músicas da série. Só não ganha nota máxima porque os efeitos sonoros do jogo, que estavam um pouco limitados.”
Gráficos8“Semelhante a série Crash Bandicoot, Spyro começou muito bem graficamente, nos dando um jogo com um visual agradável que nos mostrou aquele ar mágico do mundo de Spyro. Além disso, a visão das fases é impressionante, nos mostrando lugares distantes mesmo que do outro lado da fase.”
Desafio9“Os jogos do Spyro nunca foram do gênero difícil, mas o primeiro foi um dos que nos mostrou que pode render um bom desafio. As fases finais onde quase não há animais que dropam borboletas para recarregar a vida de Sparx e as batalhas de chefe que são realmente fases, rendem um excelente desafio e mostra que esse jogo é especial.”
Jogabilidade8“Com uma movimentação simples e agradável, esse jogo conseguiu ser perfeito em sua jogabilidade, apesar de elementos desnecessários, como o sidestep.”
8.5

#02 – Data: 03/01/2013 – Identificação: “Planeta Gamers”

Som10“Músicas muito legais e divertidas para crianças, Spyro bem dublado.”
Gráficos10“Muito bons para época.”
Desafio8.5“Fases fáceis e curtas.”
Jogabilidade10“Botões fáceis de memorizar para as crianças da época.”
9.6

#01 – Data: 20/07/2010 – Identificação: Lucas Vinícius

Som10“Os sons desse jogo seguem o clima. São ótimos, realmente próximos da perfeição.”
Gráficos10“O PSX era bem limitado quanto a gráficos. Esse levou o PSX ao extremo. Os gráficos são ótimos.”
Desafio9.5“O jogo é divertido,mas peca nesse ponto. As fases são fáceis e curtas.”
Jogabilidade10“Os controles são fáceis de memorizar e são muito bem bolados.”
9.9